OAL mantém e fornece a Hora Legal Portuguesa, desenvolve e apoia atividades de investigação científica em Astrofísica, de divulgação e formação, de estudo e preservação do excelente acervo patrimonial, além de manter um serviço público nas suas áreas de intervenção.

Imagens

  • O céu noturno de julho em 2018

    Vesta visível à vista desarmada em julho de 2018

    O asteroide Vesta (4 Vesta) estará visível à vista desarmada até aproximadamente dia 20 de julho, na constelação de Ofiúco, não muito longe de Saturno. A melhor altura para o observar será durante a sua passagem meridiana, quando está mais alto no céu. Nessa altura estará na direção sul (azimute 0º). Opte por um local e dia  em que o céu seja mais escuro (como Quarto Minguante, Lua Nova) para possibilitar a visualização, pois a sua magnitude está no limite da visibilidade a olho nu.

    crédito de imagem: Nasa

    O asteroide Vesta foi descoberto em 29 de março de 1807 por Heinrich Wilhelm Olbers e  encontra-se na cintura de asteroides entre Marte e Júpiter, a 2,36 UA do Sol. Vesta é um asteroide tipo V. O seu tamanho e o brilho na sua superfície fazem de Vesta o asteroide mais brilhante de todos. É o único asteroide que ocasionalmente é visível a olho nu.

    Tabela do nascimento, passagem meridiana e ocaso do asteroide Vesta.

    Fig. 1 – Céu visível às 22h15min do dia 15 de julho em Lisboa mostrando os planetas Vénus, Marte, Júpiter, Saturno e o asteroide Vesta.

    Todos os planetas visíveis a olho nu podem ser observados no céu noturno de julho de 2018

    Mercúrio será visível ao anoitecer até dia 28 na constelação de Caranguejo, e depois passa para a constelação de Leão. Encontra-se na direção Sudoeste.  A sua magnitude no inicio do mês varia de -0,2 a 1,8. Consulte aqui toda a informação sobre a “Observação de Mercúrio” e sobre a “Visibilidade de Mercúrio em 2018”.

    Vénus será visível ao anoitecer na constelação de Leão. Encontra-se na direção Sudoeste. A sua magnitude no inicio do mês varia de -3,9 a -4,1. No dia 9, Vénus estará a 1,1°N de Régulo pelas 21 horas. 

    Marte será visível durante a madrugada na constelação de Capricórnio, a sua tonalidade avermelhada auxiliará a sua identificação. Encontra-se na direção Sudeste. A sua magnitude ao longo do mês varia de -2,1 a -2,8. No dia 1, Marte estará a 5°S da Lua pelas 3 horas. No dia 26, Marte estará em movimento retrogrado. No dia 27, Marte estará em oposição pelas 05 horas, e estará a 7°S da Lua pelas 23 horas.  No dia 31, Marte estará à distância mínima da Terra pelas 9 horas.

    Júpiter será visível durante toda a noite na constelação de Balança. Encontra-se na direção Sudeste. A sua magnitude ao longo do mês varia de -2,3 a -2,1.

    Saturno será visível ao anoitecer e durante grande parte da noite na constelação de Sagitário. No dia 1, Saturno estará a 1,6°S da Lua pelas 2 horas. No dia 28, Saturno estará a 1,8°S da Lua pelas 5 horas. Encontra-se na direção Sudeste. A sua magnitude ao longo do mês varia de 0,0 a 0,2.

    Tabela do nascimento, passagem meridiana e ocaso dos planetas.

    Urano e Neptuno também visíveis no céu noturno de julho

    Urano, estará visível na constelação de Peixes e Neptuno estará visível na constelação de Aquário, onde permanecerá durante todo o resto do ano.

    Os planetas Urano e Neptuno terão de ser observados com telescópio, já que nunca são visíveis à vista desarmada.

    Para obter mais informação sobre a “Visibilidade dos Planetas” consulte no nosso site a página Almanaques/Dados de 2018/ Visibilidade dos Planetas em 2018 e consulte também a tabela Nascimento, Passagem Meridiana e Ocaso dos planetas (Lisboa).

    A chuva de meteoros Ariétidas, ζ Perseidas, β Táuridas e δ Aquáridas em julho

    Nesta altura ocorrem 3 chuvas de meteoros diurnas: as Ariétidas, as ζ Perseidas e as β Táuridas. Tanto a constelação de Carneiro, como as de Perseu e do Touro encontram-se próximas do Sol, e isso faz com que estas chuvas de meteoros sejam difíceis de se ver a olho nu. Alguns dos primeiros meteoros são visíveis no momento das primeiras horas da manhã, geralmente uma hora antes do amanhecer. Ver tabela mais abaixo para obter informações sobre os períodos de visibilidade e as datas de máxima atividade para cada uma destas chuvas de meteoros.

    A chuva de meteoros nocturna das δ Aquáridas ocorre entre 12 de julho e 23 de agosto, e a atividade máxima de intensidade desta chuva de meteoros será no dia de 30 de julho. Como esta constelação só começa a nascer depois da meia-noite a sudeste, as observações deverão iniciar-se na 2ª metade da noite. O nome desta chuva de meteoros resulta dos traços das suas estrelas cadentes nos parecerem sair dum ponto da constelação do Aquário (o radiante).

    Também neste mês de julho inicia a famosa chuva de meteoros nocturna das Perseidas que ocorre entre 17 de julho e 24 de agosto.

    Em 2006, a IMO (International Meteor Organization) decidiu definir uma série de chuvas de meteoros conhecidas sob a designação ANT (The Antihelion Source). O ANT é uma grande área, aproximadamente oval, com extensão de 30◦ em ascensão reta e 15◦ em declinação, centrado num ponto cerca de 12◦ a leste do ponto da oposição solar sobre a eclíptica, daí o seu nome. Não é uma verdadeira chuva de meteoros (e portanto não tem um número oficial de chuva de meteoros do IAU), mas é sim uma região do céu em que um número variável, embora baixo, de chuva de meteoros secundários ativos têm os seus radiantes.

    Fig. 2 – (figura do IMO) mostra os radiantes entre maio a julho, o radiante do ANT em junho encontra-se nas constelações de Sagitário e de Escorpião.

    Tabela com a informação sobre as chuvas de meteoros das Ariétidas, ζ Perseidas, β Táuridas, δ Aquáridas e Perseidas

    Para obter mais informação sobre “Enxames de meteoróides”, e também um a pequena informação sobre a história deste enxame, consulte no nosso site a página Enxames de Meteoroides.

    Fases da Lua em julho

    Como é bem conhecido, as fases da lua são determinadas pelas posições relativas do sistema sol-lua-terra. À medida que a Lua se move à volta da Terra, ambos os astros progridem à volta do sol, ocorrendo todos os meses Lua Cheia quando há um alinhamento do tipo Sol–Terra–Lua. A Lua Nova ocorre quando há um alinhamento do tipo Sol–Lua–Terra e nas posições intermédias ocorrem o Quarto Crescente e Quarto Minguante. O período que a Lua demora para passar pela mesma fase é de 29,5 dias, conhecido como mês sinódico (ou uma lunação).

    Fases_da_lua

    Fig. 3 – A órbita lunar com excentricidade aproximada, para mostrar o conceito.

    Para obter mais informação sobre as “Fases da Lua” consulte no nosso site a página Almanaques/Dados de 2018/ Fases da Lua e consulte também a tabela Nascimento, e Ocaso da Lua (Lisboa)

    A órbita lunar em julho

    A órbita da Lua é aproximadamente uma elipse de excentricidade média 5,5%. A lua demora 27,3 dias a completar a translação (um mês lunar). A órbita elíptica faz com que a Lua ora esteja mais perto, ora mais longe da Terra. O ponto orbital mais próximo da Terra é denominado Perigeu e o ponto mais afastado chama-se Apogeu. A distância média Terra-Lua é <dTL>= 384.400 km. A tabela abaixo indica os instantes do apogeu e perigeu lunar com a distância da Terra à Lua em unidades de RT (Raio Terrestre).

    Apogeu

    Fig. 4 – A órbita lunar com excentricidade muito exagerada, para mostrar o conceito.

    Tabela com a informação sobre o Apogeu e Perigeu lunar

visualizar e/ou assinar o Livro de Visitas do OAL

Consulte e assine o Livro de Visitas

 

Comments are closed.