OAL mantém e fornece a Hora Legal Portuguesa, desenvolve e apoia atividades de investigação científica em Astrofísica, de divulgação e formação, de estudo e preservação do excelente acervo patrimonial, além de manter um serviço público nas suas áreas de intervenção.

Imagem da Semana

  • Cometa 2013 A1/Siding-Spring rasante a Marte

    cometaSidingSpringsMarteHST2014_web

    A imagem espectacular do Telescópio Espacial Hubble (NASA/ESA) do cometa C/2013 A1 (Siding Spring) com Marte ao lado, quando a 19 de outubro de 2014 passou a uma distância de apenas 139,7 milhares de quilómetros do planeta, ou seja, cerca de 1/3 da distância Terra-Lua. Esta deve ter sido a primeira passagem do cometa pela zona muito interior do sistema solar, mas a última em que o pudemos apreciar.

    O cometa manteve uma actividade relativamente pacata pois a zona densa e mais brilhante da cabeleira, formada pelos gases libertados, tem dimensões de uma dezena de diâmetros marcianos (≈5 terrestres), apesar da nuvem de hidrogénio (gás muito mais leve) estender-se por várias vezes esse tamanho. Isto é compatível com a análise espectral no ultra-violeta (satélite SWIFT) que mostrou uma taxa de sublimação de água de ≈50 litros/s, indicativo de um núcleo com apenas 0,5 km de diâmetro. Compare-se com o do 67P/Churyumov–Gerasimenko com 4 km, ou o do Halley com 16 km. Mesmo assim, a sua ténue cabeleira poderá ter chegado às regiões da alta atmosfera marciana onde as sondas Mars Reconnaissance Orbiter e a MAVEN se encontram, o que degrada as órbitas aproximando-as da superfície do planeta.

    Outro caso curioso é o da sua órbita. Apesar de estar muito inclinada ao plano da eclíptica (129°) o que é comum, as medições de 310 posições ao longo de 2,02 anos (incluíndo outubro/2014) e tratadas pelo Minor Planets Center indicam que a excentricidade = 1,000742 ou seja, indica uma órbita hiperbólica que o leva a escapar ao sol. Poderia interpretar-se como um cometa proveniente do espaço inter-estelar, mas não deve ser o caso pois, para cometas provenientes da zona mais afastada do Sistema Solar – a Nuvem de Oort – que têm e  ≲ 1 , as incertezas nas medições efectuadas podem gerar soluções numéricas com > 1. Pode é dizer-se que o cometa pertence à família da Nuvem de Oort (estende-se até às 100.000 UA) e que terá um período nos milhões de anos, valor que se conhecerá apenas quando e  for bem determinado.

visualizar e/ou assinar o Livro de Visitas do OAL

Consulte e assine o Livro de Visitas

  • Alex Gomes
    Desde que descobri o vosso site que é o meu favorito, já lá vão uns cinco anos. Para mim é ...

 

Não são permitidos comentários.